Cuidado com a pontuação

Cuidado com a pontuação

 

Um homem rico estava muito mal, agonizando. Pediu papel e caneta. Escreveu assim:

 

“Deixo meus bens a minha irmã não a meu sobrinho jamais será paga a conta do padeiro nada dou aos pobres.”

 

Mas ele morreu antes de fazer a pontuação na frase.

 

A quem deixava a fortuna?

 

Eram quatro concorrentes.

 

1) O sobrinho fez a seguinte pontuação:

 

Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho. Jamais será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

 

2) A irmã chegou em seguida. Pontuou assim o escrito:

 

Deixo meus bens à minha irmã. Não a meu sobrinho. Jamais será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

 

3) O padeiro pediu cópia do original. Puxou a brasa pra sard inha dele:

 

Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

 

4) Aí, chegaram os descamisados da cidade.. Um deles, sabido, fez esta interpretação:

 

Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do padeiro? Nada! Dou aos pobres.

 

Litro de leite

 

Dois litros de leite atravessaram a rua e foram Atropelados. Um morreu, o outro nao, por quê? Por que um deles era Longa Vida.

 

Perdeu no jogo

 

O marido chega para a mulher e diz: – Querida, faça suas malas! De hoje em diante, você vai morar com o Carlos. – Como assim?! – Simples: joguei você no jogo de cartas e perdi! – Como você pode fazer uma coisa dessas? – Ué… roubando, oras bolas!

 

Zé do Vento

 

Certo dia um cara chamado José inventou de casar. Sua esposa engravidou, e 9 meses depois, quando ela foi fazer o parto, era gravidez psicológica, só ‘vento’. Aí colocaram o nome a José de ‘Zé do Vento’. Onde ele passava os caras gritavam: Zé do Vento, Zé do Vento. Ele se enraivou e começou matar gente. Quem o chamava de Zé do Vento ele matava. Certo dia o padre lhe chamou e disse: Faça isso não, você está pecando diante de Deus, só porque lhe chamam de Zé do Vento. Zé do Vento falou: Tudo bem padre, não farei isso mais. Quando saiu da igreja, o padre ouviu uns tiros, quando olhou, era Zé do Vento. O padre disse: Mas Zé, você acabou de prometer diante de Deus, e ainda continua? Zé do vento falou: Padre, Zé do Vento até que vai, mas pedir meu pinto para encher pneu de bicicleta eu não aceito não.

 

Em boa forma

 

Uma dessas manhãs, o marido acorda e vira-se para a mulher, dá um beliscão nas nadegas dela e diz: -Se você fizesse exercício para firmar, poderíamos nos livrar dessas calcinhas. A mulher se controlou e achou que o silêncio seria a melhor resposta. No outro dia, o marido acorda, dá um beliscão nos seios da mulher e diz: -Se você conseguisse firmar, poderíamos nos livrar desse sutiã. Aquilo foi o limite, e o silêncio definitivamente não seria uma resposta. Então ela se virou, agarrou no pênis do marido e disse: -Se você conseguisse firmar isso, poderíamos nos livrar do carteiro, do jardineiro, do personal trainner, do meu chefe e até do seu irmão.

 

Presente de baiano

 

A mãe do baiano vai viajar pro exterior e pergunta ao filho:

 

– Quer que mãinha lhe traga alguma coisa da viagem, meu dengo?

 

– Ô, minha mãe… Por favor, me traga um relógio que diz as horas…

 

– Ué, meu cheiro… E o seu não diz não?

 

– Diz não, mãinha… Eu tenho de olhar nele pra saber…

 

Anúncio no Jornal

 

Uma mulher colocou um classificado com os seguintes dizeres:

 

Procuro marido.

 

No dia seguinte, recebeu centenas de cartas dizendo:

 

Se quiser, pode ficar com o meu…

 

Competição de Morcegos

 

O morcego estava fazendo uma competição com seus três filhos pra ver quem arrumava sangue mais rápido. O filho mais velho sai voando e volta em 60 segundos com a boca suja de sangue. O pai pergunta:

 

– Onde você arrumou esse sangue?

 

– Tá vendo aquele boi ali?

 

– Tô.

 

– Foi dele.

 

O segundo filho sai voando e volta em 30 segundos com a boca suja desangue. O pai pergunta:

 

– Onde você arrumou esse sangue?

 

– Tá vendo aquela mulher ali?

 

– Tô.

 

– Foi dela.

 

O filho mais novo sai voando e volta em 15 segundos com a boca suja de sangue. Novamente, o pai:

 

– Onde você arrumou esse sangue?

 

– Tá vendo aquele muro ali?

 

– Tô.

 

– Eu não vi.

 

Ponte aérea

 

Num vôo comercial, o piloto liga o microfone e começa a falar aos passageiros:

 

– Bom dia, senhores passageiros! Neste exato momento estamos a 9 mil metros de altura e estamos sobrevoando a cidade de… OHHHHHHH, MEU DEUS!!!!!

 

E os passageiros escutam um grito pavoroso, seguido de um barulho infernal:

 

– NÃAAAAAAOOOOOOO!!! SPLECT!!! SPLOFT!!!!!!

 

Segundos depois, ele pega o microfone e, rindo sem graça, se desculpa:

 

– Desculpem-me, esbarrei na bandeja e minha xícara de café caiu em cima de mim. Precisam ver como ficou a parte da frente da minha calça!!!

 

E um dos passageiros gritou:

 

– Filho da mãe!!! E você precisa ver como ficou a parte de trás da minha!!!

 

O Barbeiro de Marília

 

O sujeito só tinha um braço e senta-se na cadeira daquela velha barbearia.

 

– Barba e cabelo! – ordena.

 

Assim que começa a barba o barbeiro faz-lhe um corte no rosto, depois outro no queixo, outro no pescoço; ao acertar o bigode espeta-lhe o nariz; em seguida, começam as tesouradas: no crânio, na nuca, nas orelhas. No final, o barbeiro pergunta:

 

– Você era meu freguês há muito tempo atrás, não é mesmo?

 

– Não, senhor! O braço eu perdi num acidente de automóvel!

 

Joãozinho

 

O Joãozinho fala para a mãe:

 

– Mamãe o Juquinha disse que ele tem um ta-ta-ta-taravô.

 

E a mãe falou:

 

– Nossa como ele é mentiroso!

 

E o joãozinho:

 

– Não, mãe! Ele é gago.