Advogado Inteligente

Advogado Inteligente

 

No tribunal, o juiz, qualificando o réu, pergunta:

 

– O réu é primário?

 

E o advogado responde:

 

– Não, ele tem o segundo grau!

 

Excesso de Velocidade

 

O Magistrado bronqueia com o réu:

 

– Outra vez acusado de excesso de velocidade? Quantas vezes já o tenho visto na minha frente?

 

– Na sua frente nenhuma, Meretíssimo! Por várias vezes tentei ultrapassar o automóvel de Vossa Excelência, mas nunca consegui!

 

Amigo Advogado

 

O sujeito chega para um amigo advogado e diz:

 

– Quanto você cobra para me responder duas perguntas?

 

– Quinhentos reais! Qual é a segunda?

 

Advogado no Tribunal

 

Um famoso advogado é acusado de matar a mulher e resolve fazer sua própria defesa. O juiz diz:

 

– Conte-me a sua versão dos fatos.

 

– Pois, foi assim: Estava eu na cozinha com a faca de cortar presunto. Nesse momento entrou a minha mulher, tropeça, cai sobre a faca e esta espeta-a no peito.

 

– Sim. – Diz o juiz – Continue. . .

 

– Pois foi assim. . . Sete vezes!

 

Casamento Celestial

 

Os noivos estavam a caminho da igreja, pois em dois dias iriam se casar. Quando ­derrepente um carro perde o controle e chocam contra eles matando na hora. Chegando no céu, a noiva protesta:

 

– Puxa, São Pedro! Logo agora que a gente ia casar, acontece uma dessas. . .

 

– Assim é a vida, digo, a morte. – Objeta o guardião do paraíso.

 

– Mas será que não dá para o senhor quebrar um galho – diz o noivo – E fazer o nosso casamento aqui?

 

– Espera aí, deixa eu ver o que posso fazer.

 

Duas horas depois, ele volta trazendo um padre à tiracolo.

 

– Ok! Trouxe um padre para fazer o casamento de vocês. Mas tem uma condição.

 

– Qual?

 

– Aqui não tem divórcio! O casamento vai ter de ser por toda a eternidade!

 

– Puxa, mas toda a eternidade é muito tempo! – Reclama o noivo – E se o nosso casamento não der certo?

 

– Azar o de vocês! Para achar um padre aqui no céu já foi um custo, imagina um advogado!

 

Perguntinha

 

Vocês sabem por que as vacas na Argentina ficam olhando para cima?

 

R.: É porque tem “Boi Nos Aires”.

 

Obedencendo ondens

 

– O diretor está?

 

– O senhor é vendedor, cobrador ou amigo dele?

 

– Bem, as três coisas. . .

 

– O patrão está em reunião. . . Ele está fora da cidade. . . Entre sem bater e fale com ele.

 

Vendedor Ambulante

 

Vendedor ambulante, bate na porta de dona Maria:

 

– Interessa-lhe uma apólice de seguros?

 

– Não. Já tenho uma.

 

– E a enciclopédia Barsa, em nova encadernação?

 

– Não, senhor. Muito obrigada.

 

– E uma bateria eletrônica, com 837 ritmos diferentes?

 

– Claro que não! Não quero nada!

 

– Para se ver livre de mim, a senhora compraria um sabonete?

 

– Compro até dois!

 

– Obrigado, madame. É isso mesmo que eu vendo. São cinco reais.

 

Nova Lavadeira

 

– Querida a nova lavadeira roubou duas toalhas da gente!

 

– Mas que ladra, sem vergonha! Quais foram as toalhas?

 

– Aquelas que trouxemos do Hotel de Serra Negra.

 

Abrindo o jogo

 

O lavrador vai falar com o patrão, na sede da fazenda:

 

– O senhor me descurpe, patrão. . . Mas minha família tá passano fome! O que o sinhô me paga num dá pra nada!

 

– Tudo bem, tá desculpado!

 

O Filho do Matuto

 

O matuto leva o filho para o primeiro dia de aula. O diretor examina o garoto e pergunta:

 

– Este menino gagueja sempre?

 

– Não, sinhô. Só quando fala.

 

Olha a Facaaaaaaa

 

Depois de dez anos, a moça do Censo voltou a uma pacata cidade do sertão. Depois de falar com todos os habitantes chegou a surpreendente conclusão de que a população continuava exatamente a mesma. Não aumentou, nem diminuiu.

 

Espantada com o fato, a moça foi perguntar à moradora mais antiga da cidade:

 

– Por acaso a senhora sabe explicar como isso pôde acontecer?

 

– É muito simpres. Cada veiz que nasce um bebê na cidade, foge um rapáiz!

 

Não Sabe Nada

 

Numa estradinha do interior, o carro importado pára ao lado de um caipira:

 

– Ei, amigo! Qual é o caminho pra Itu?

 

– Sei não, sinhô. . .

 

– E a estrada pra São Roque, qual é?

 

– Tamém num sei não sinhô. . .

 

– E essa estrada aqui, onde é que vai dar?

 

– Tô sabendo não, dotô. . .

 

– Caramba! Mas você não sabe nada mesmo, hein!

 

– É. . . Mas acontece qui eu num tô perdido não!

 

Anatomia

 

Seu Alberto ia fazer um teste para ser médico. Aí lhe perguntaram:

 

– Seu Alberto, em quantas partes se divide o cérebro de uma sogra?

 

Aí, ele pensou, pensou e disse:

 

– Bem. . . Depende da porrada.

 

Crematório

 

Faleceu a sogra do João. Como era seu desejo, ela foi cremada.

 

No crematório, o padre rezou a missa e perguntou se alguém queria prestar uma ultima homenagem à falecida.

 

O genro, bêbado:

 

– Eu tenho! – E levantou uma taça. Um brinde ao churrasqueiro!