Hierarquia de idéias

Assim como a segunda-feira vem antes da terça, o ganhar vem antes das outras leis da riqueza. Sem aprender a ganhar, de nada vale saber aplicar as outras leis.

Se você não ganha, não tem o que gastar, economizar ou investir. Ganhar não é o suficiente para a independência financeira, mas é um ingrediente fundamental e necessário.

Problema financeiro não se resolve com dinheiro. Se você está devendo o aluguel e toma dinheiro emprestado para pagar, no mês seguinte terá duas dívidas: o novo aluguel e o empréstimo.

Problema financeiro resolve-se com imaginação e criatividade. Toda riqueza é criada pela mente humana. E no ganhar está a semente de toda a riqueza.

Hierarquia de idéias

Para alavancar seus ganhos, é importante entender o conceito de hierarquia de idéias.

Em uma empresa, você preferiria ser faxineiro ou gerente de produção? Gerente de produção ou diretor executivo de engenharia e produção? Um dos diretores executivos ou presidente da empresa?

Aposto como você responderia: — Presidente da empresa!

Para fazer essa escolha, você, mesmo de forma inconsciente, percorreu a hierarquia do poder: presidente tem mais poder que diretor executivo; que, por sua vez, tem mais poder que gerente; que, por sua vez, tem mais poder que faxineiro.

Algumas idéias são mais fortes do que outras. Certas idéias encontram-se em um nível hierárquico tão superior às demais que nem se cogita implementá-las, pois poderiam alterar toda a dinâmica mundial.

Se você inventar algo que possa ser utilizado por um modelo específico de carro de determinada montadora, irá ganhar menos do que se a sua invenção puder ser utilizada por todos os modelos dessa montadora. Caso a sua invenção também sirva para os carros de outras montadoras, a sua fortuna será consideravelmente maior. E será maior ainda se não apenas carros, mas toda a linha de transportes, como trens, navios, aviões, etc., puder utilizá-la. Isso é um exemplo de hierarquia de idéias.

Em que nível hierárquico de idéias você está operando?

 

As leis da riqueza são leis universais que mostram como ganhar, gastar, economizar e investir. Elas deveriam ser ensinadas no jardim da infância, mas nunca é tarde para aprender.

Existe uma roda da abundância que gira impulsionada pela ação dos verbos declarar, solicitar, arriscar e agradecer. Quando você coloca esses verbos em ação, a sua roda da abundância, que é a parte metafísica necessária para quem quer viver bem, com prosperidade e abundância, entra em movimento. Entretanto, para viver bem financeiramente é preciso conhecer e praticar as leis da riqueza, que são quatro: ganhar, gastar, economizar e investir.

Essas leis são a parte concreta e objetiva da riqueza e você vai aprender sobre elas neste e nos próximos artigos. Vou lhe transmitir informações de ordem prática, mas, para implementá-las, o seu ser racional e emocional precisam estar de acordo.

Antes de prosseguir com a leitura sobre as leis da riqueza, aceite um conselho: reveja suas crenças e seus bloqueios psicológicos. Procure identificar suas travas emocionais, pois se alguma o estiver prendendo, seus planos terão dificuldade em deslanchar ou nem deslancharão. Também sugiro que você avalie seriamente suas intenções financeiras. Vou ajudá-lo a fazer isso!

Você está disposto a ser financeiramente independente?

A resposta óbvia seria: “É claro que sim! Por isso estou lendo este artigo.” No entanto, se você pensar que tudo no Universo tem um preço, a resposta deixa de ser tão óbvia quanto parece. Depois de avaliar todos os problemas que as pessoas ricas têm e que as pobres não têm, se você ainda quiser ser financeiramente independente, continue lendo!

De quanto você precisa para ser financeiramente independente?

Não adianta responder “o bastante”. É preciso estabelecer uma cifra para que o seu cérebro possa trabalhar no sentido de obtê-la. Talvez, um treinamento intensivo em riqueza possa ajudá-lo a responder essa pergunta com objetividade. Se estiver disposto a fazê-lo, siga as orientações:

Imagine-se participando de um de meus cursos. A cada dia, você receberá uma certa quantia para gastar à vontade, mas só até a meia-noite. À meia-noite, você terá de me devolver o que tiver sobrado do dinheiro recebido no dia.

1º Dia: Você tem mil dólares para gastar até a meia-noite. Em que você gastaria?

2º Dia: Hoje, você tem dois mil dólares para gastar até a meia-noite. Em que você gastaria?

3º Dia: Hoje, vou lhe dar três mil dólares para gastar até a meia-noite. Em que você gastaria?

Imagine-se gastando uma quantia progressivamente maior a cada dia, até chegar ao fim do curso, no décimo dia, com 10 mil dólares para gastar até a meia-noite. Como você se sentiu gastando dinheiro durante dez dias seguidos? O “gastar dinheiro” tornou-se mais um problema do que um prazer? É assim que costumam se sentir muitas das pessoas que ganham dinheiro por ganhar.

Antes de decidir-se sobre a quantia necessária à sua independência financeira, reflita sobre o exercício que acabou de fazer:

  • Em que você pensava enquanto procurava modos de gastar todo o dinheiro até a meia-noite?
  • Você teve algum sentimento de culpa por estar gastando tanto dinheiro?
  • O que você aprendeu sobre dinheiro com esse exercício?
  • Imagine o que aconteceria se, em vez de 10 dias, o curso durasse 30 ou 60 dias: gastar se tornaria um hábito ou passaria a ser um pesadelo?