Cometa raro se aproxima da Terra e será visível a partir de fevereiro

Da última vez que o C/2022 E3 ficou visível, há 50 mil anos, a Terra ainda era habitada pelos neandertais. O astro celeste atingirá a melhor altura de observação no dia 4 de fevereiro.

A partir do início de fevereiro, um cometa raro, que passa pela Terra a cada 50 mil anos, poderá ser visto a olho nu pelos terráqueos. O C/2022 E3, que mede cerca de 1 km de diâmetro, atingirá a melhor altura de observação no dia 4 de fevereiro, conforme informações do astrônomo Filipe Monteiro ao jornal Poder360. Com o passar dos dias, o cometa será visto mais alto no céu e com mais tempo de visibilidade. Em sua aproximação máxima, o cometa estará a cerca de 42 milhões de km da Terra.

“Para observá-lo, o mais sensato é usar binóculos, que facilitarão a observação desse visitante ilustre. Além disso, é importante destacar que não é uma tarefa tão fácil achar um cometa no céu. Por isso, além de instrumentos (binóculos, telescópios, câmeras fotográficas), é interessante que as pessoas procurem um lugar distante dos centros urbanos, fugindo assim da poluição luminosa. Para facilitar ainda mais a observação do cometa, o indicado é procurar pelo cometa quando a lua não estiver mais no céu”, explica Monteiro.

O asteróide foi detectado pelo programa Zwicky Transient Facility (ZTF) em março de 2022, quando passava pela órbita de Júpiter. Da última vez que este astro celeste ficou visível, a Terra ainda era habitada pelos neandertais. Esse poderá ser o primeiro cometa do ano visto a olho nu, e o primeiro após o cometa Neowise, que passou pela órbita da Terra em 2020.

Cometas são objetos feitos principalmente de gases congelados, rocha e poeira, e se tornam mais visíveis quando se aproximam do sol, envoltos em uma nuvem de gás.